Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

BRASIL
Sexta-feira, 03 de Dezembro de 2021, 07h:22

Brasil

'Faraó dos bitcoins' virou gestor de empresa em Miami após ser preso

IG - Nacional

source
'Faraó dos bitcoins' virou gestor de empresa em Miami após ser preso
Reprodução

'Faraó dos bitcoins' virou gestor de empresa em Miami após ser preso

No dia 26 de agosto, o contador americano Maher Malak encaminhou ofício à Divisão de Corporações do Departamento de Estado da Flórida, para comunicar que houve alteração dos artigos constitutivos da empresa EYD Investment, aberta em 8 de março deste ano em Miami. O ofício altera o agente de registro da empresa, removendo o nome de Brynne G Gomes e o substituindo pelo nome de um dos proprietários,  Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó dos Bitcoins", que divide a sociedade com a mulher, Mirelis Zerpa.

O documento, assinado por Glaidson, data de 26 de agosto de 2021. Em tese, Glaidson o assinou atrás das grades, no Complexo de Gericinó, pois havia sido preso no dia anterior na Operação Kriptos. Outro detalhe que intriga é a assinatura.

A grafia, se comparada a outras assinaturas de Glaidson, é totalmente diferente. Para comparar, o Globo obteve contratos da GAS Consultoria Bitcoin e outros documentos assinados por Glaídson, e recolhidos entre investidores e peças do inquérito policial.

A Kriptos foi a fase ostensiva de uma investigação iniciada em março, depois que agentes da Polícia Federal (PF) apreenderam R$ 7 milhões em espécie da GAS, em helicóptero que decolava de um heliponto em Búzios. A prisão de Glaidson, porém, não encerra o inquérito sobre o caso, que agora busca rastrear o destino do dinheiro lavado pela organização. A EYD é uma das empresas estrangeiras investigadas.

O perito paulista Paulo Camargo disse que, em uma análise simples e rápida, se observa discrepâncias grafoescriturais visíveis entre as assinaturas do ofício americano:

"A ligação entre as letras é diferente nas assinaturas. A inclinação das letras é incompatível. Os traços de ataque (onde inicia a letra) e os traços fuga (onde termina a letra) estão em diferentes posições", explicou.

O perito ponderou que, para fins judiciais, normalmente somente uma perícia com os originais tem validade processual:

"Mas pelos elementos apresentados, até mesmo para o leigo as escritas não promanam do mesmo punho. Ou seja, foram escritas por pessoas diferentes."

Na cadeia, os presos podem assinar documentos. É normal, por exemplo, passar procurações para advogados. Porém, Glaidson nunca poderia praticar atos que impliquem a movimentação de patrimônio, pois estava com todos os bens bloqueados.

Leia Também

Um auditor da Receita Federal, consultado pelo Globo, disse que a EYD é um tipo de empresa (LLC) usada em operações de lavagem de dinheiro no exterior, pois os seus donos não são obrigados a declarar a movimentação financeira ao fisco americano.

Glaidson é apontado como líder de uma organização responsável pela criação de uma pirâmide financeira, disfarçada de investimentos em bitcoins, em Cabo Frio, na Região dos Lagos fluminense. O esquema teria amealhado 67 mil clientes, com um volume de R$ 38 bilhões em operações financeiras de 2015 aos dias atuais.

Até o momento, as autoridades só conseguiram apreender cerca de R$ 200 milhões. Do restante, é sabido apenas que a venezuelana Mirelis Zerpa, mulher de Glaidson que está foragida, conseguiu sacar R$ 1 bilhão em bitcoins após a prisão do marido.

Empresa não paga impostos

A EYD, por ser uma LLC, de acordo com o especialista consultado, é uma partnership. Neste caso, seus sócios são chamados de membros. A partnership pode optar, junto à Receita americana, por ser transparente para fins fiscais, ou seja, não paga imposto de renda na pessoa jurídica, mas sim, na pessoa dos partners (membros). Sendo assim, é um recurso muito usado por sonegadores no Brasil.


Toda a receita de empresas do gênero atravessa a pessoa jurídica e vai ser repartida entre os membros, que são aqueles que devem pagar o imposto. Mas, se os membros não residirem nos EUA ou se a LLC não realizar negócios tributáveis nos EUA, a Receita americana não tributa nem a empresa (que optou por ser transparente para fins fiscais) e nem seus membros.

Ou seja, a receita da LLC que chega aos seus partners deveria ser tributada, nesse caso, na figura da Mirelis e do Glaidson, ou seja, na pessoa física deles, no caso, no Brasil.

"Esse é um esquema bem comum de estrangeiros que abrem partnerships nos EUA. Não tributam nos EUA e ficam razoavelmente escondidos do Fisco do país onde residem, porque a LLC, nesse caso, não presta nenhuma informação ao Fisco Americano. Se a Receita Federal pedir informações ao Fisco Americano, provavelmente não terão nada no seu banco de dados para informar de imediato. Só quebrando o sigilo bancário lá para tentar obter algo. E aí, começa a complicar a investigação", explicou o auditor.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

icon-onibus

Rua Dr. Napoleão Laureano,13 - Bairro Santo Antonio - Campo Grande/MS

fn.jornaldoonibus@hotmail.com - CEP: 79100-370